Tempo é dinheiro

main

 

Como procrastinador nato, digníssimo representante dos arquitetos com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), sempre tive na gestão do tempo meu maior calcanhar de Aquiles. Perdi muitos clientes, deixei de ir a muitas reuniões. Tive minha imagem profissional prejudicada por não saber organizar minimamente tudo que eu tinha para fazer no dia, além da dificuldade natural em estimar corretamente o tempo de duração de tarefas e compromissos.

Não há como ser criativo, produtivo, oferecer serviços de qualidade e ainda viver como uma pessoa normal sem uma ferramenta adequada de gestão do tempo. Depois de ler muito sobre o tema, geralmente publicações estrangeiras, comecei a me dedicar de fato à organização do meu tempo ao comprar o livro “A Tríade do Tempo”, de Christian Barbosa (Editora Sextante).images

Há uns cinco anos eu participei de um treinamento conduzido por ele e acabei me tornando usuário do sistema Neotriad (https://neotriad.com/), uma plataforma online sensacional. Infelizmente o app para IOS deixou de ser utilizado, o que nos dias de hoje se torna uma ferramenta fantástica.

Muita coisa mudou, mas a vigilância deve ser diária. Hábitos de uma vida tiveram que ser desconstruídos. Outros foram criados. O importante é ter em mente que não há hora para começar. Se você é estudante ou profissional experiente, você precisa HOJE criar uma maneira de gerir melhor seu tempo, não só profissional, mas pessoal também.Muita gente boa está no mercado trabalhando a sério a gestão do tempo. Uma delas é Tathiane Deândhela, autora do recém lançado “Faça o Tempo Trabalhar para Você e Tenha Excelentes Resultados” (Editora Sermais).

Faca o tempo trabalhar

De modo geral, sabemos exatamente o que fazer, a questão é como fazer. Uma agenda física é um bom começo. Por outro lado, há uma infinidade de recursos digitais e online que facilitam muito nossa vida. Depois que o Neotriad parou de atualizar seu app para iPhone eu passei a adaptar o método para a agenda do Google mesmo. Uma ferramenta simples e que permite sincronização instantânea com seus gadgets, além de permitir o compartilhamento de compromissos com outras pessoas. Para nós, arquitetos é sensacional. O próprio “Lembretes” do iPhone permite a personalização de diversas listas de tarefas. Tenho feito assim: criei listas de tarefas divididas em “urgentes”, “importantes” e “circunstanciais” (mais informações, leia o livro do Christian) para inserir tarefas na hora que elas surgem. Assim que possível, lanço no Google Calendar, de acordo com as diversas agendas personalizadas que já fiz. O Neotriad permite fazer tudo isso, mas é preciso estar com um computador ligado. Não me dei bem acessando o site pelo iPad, por exemplo.

Se você acorda sem saber exatamente o que tem a fazer no dia, ou se sente incapaz de programar seus compromissos e tarefas com dois ou três dias de antecedência, lembre-se que um arquiteto com TDAH, que toma Ritalina duas vezes ao dia, conseguiu ao menos sair do caos total para um mínimo de organização. Mãos à obra!

Sonolência favorece insights

Sonolência favorece insights – Mente e Cérebro.

O sono reduz a capacidade de analisar proble­mas e tomar decisões, mas aumenta a percepção e criatividade

A hora de dormir pode ser um bom momento para encontrar soluções originais. Segundo estudo publicado na revista Thinking and Reaso­ning, se por um lado o sono reduz a capacidade de analisar proble­mas e tomar decisões, por outro aumenta a percepção. Pesquisadores da Faculda­de Albion, no Michigan, dividiram voluntários em pessoas “noturnas” e “diurnas”, de acordo com um questionário que avaliou seus hábitos. Em seguida, pediram que tentassem resolver seis de­safios mentais – metade deles exigia habilidade de análise, e os outros, de percepção. O horário do teste não interferiu na solução das questões analíticas, mas influiu nos casos que exigiam criatividade: ela aflorou mais facilmente nos mo­mentos geralmente considerados de menor rendimento.

Para a autora do estudo, Mareike Wieth, quando es­tamos com sono há redu­ção na atividade de me­canismos inibidores da atenção, responsáveis por filtrar informações que parecem irrele­vantes para algumas tarefas. “A falta de con­centração causada pelo sono deixa as pessoas mais suscetíveis a cap­tar dados que normal­mente seriam julgados desimportantes pelo cérebro”, explica.