Archidaily: O que faz de uma cópia uma cópia? O caso dos direitos autorais na arquitetura


Artigo  traduzido por  Romullo Baratto,  publicado pelo site Archidaily (link completo no final do texto).

 

Cortesia de Mitch Tuchman. Fonte das Imagens: Tribunal Distrital dos EUA do Distrito do Sul da Flórida, Divisão de Miami

Cortesia de Mitch Tuchman. Fonte das Imagens: Tribunal Distrital dos EUA do Distrito do Sul da Flórida, Divisão de Miami

Quando um jurista eminente pergunta, “O que o direito autoral arquitetônico realmente protege?”, você pode estar certo que não é uma pergunta retórica. A Lei de Direitos Autorais dos EUA oferece proteção contra a violação de obras arquitetônicas, mas o faz em termos tão ambíguos que um juiz pode se perguntar, como fez o juiz do tribunal federal distrital, James Lawrence King, em um caso que decidiu no início deste ano, se as normas geralmente aplicadas para determinar infrações sequer existem. Considerando “a análise habitual…vaga demais e a linguagem enganosa”, King abriu seu próprio caminho em Sieger Suarez Architectural Partnership v. Arquitectonica International Inc.., 2014 EUA Dist. LEXIS 19140, propondo indicadores detalhados para os tribunais futuros seguirem.

Sieger Suarez envolveu duas empresas de arquitetura de Miami e uma torre de condomínio com 43 andares em vias de conclusão na suburbana Sunny Isles. A empresa Sieger Suarez foi contratada em 2000 pelo primeiro proprietário do projeto. Quando o projeto, agora conhecido como Regalia, mudou de mãos, os novos proprietários desistiram de Sieger Suarez e contrataram a Arquitectonica em 2006. Este é um cenário familiar em diversas disputas envolvendo alegações de violação de obras arquitetônicas.

Condizente com uma propriedade à beira-mar com as unidades partir de US $ 7 milhões, ambos os projetos apresentam exteriores dramáticos e ondulados. “Ao se deparar com qualquer um dos quatro lados des edifícios”, escreveu King, em sua opinião, “as fachadas criam a impressão de uma onda horizontal através das laterais dos edifícios.” Além disso, na seção transversal, ambos os edifícios revelam o que King descreveu como uma “forma de flor”, “um retângulo estilizado, com cantos levemente arredondados e uma saliência para fora mais ou menos no centro de cada um dos quatro lados.” Seria esta forma de flor, combinada com o exterior em forma de onda, o suficiente para sustentar a alegação de Sieger Suarez de infração contra a sua concorrente e os donos da propriedade?

Os resultados deste processo, e o que poderiam significar para os direitos autorais arquitetônicos em geral, à seguir…

A Lei

Compreender casos deste tipo exige uma apreciação de dois princípios dos direitos autorais: a distinção entre idéias e expressão de idéias, por um lado, e a natureza e âmbito das compilações que podem ser protegidas​​, por outro.

O direito autoral protege a expressão de idéias, mas não as próprias ideias: livros, mas não palavras ou convenções literárias, a música, mas não notas ou estilos, software, mas não as atividades triviais, e arquitetura, mas não pisos e tetos, portas e janelas , paredes e corredores.

Os direitos do autor também protegem compilações, isto é, agrupamento de expressão que podem ser protegidas e ideias não passíveis de proteção, selecionadas, coordenadas e organizadas de forma que o resultado seja original, mesmo que suas partes constituintes não o sejam. Pense em bancos de dados. Obras de arquitectura são frequentemente relacionados à compilações, combinações de elementos que podem não ser de direito autoral tomado isoladamente (paredes e corredores), mas atingem um nível  de distinção expressiva através de suas combinações inventivas.

Não há uniformidade entre os tribunais federais de recurso sobre a forma de determinar a extensão da proteção das obras arquitetônicas. Os tribunais distritais são obrigados a conformar-se com o precedente estabelecido pelo órgão jurisdicional, no comando, de recursos, no caso de King, o Tribunal de Recursos da décima-primeira vara com sede em Atlanta. Juízes de primeira instância, como King, podem interpretar este precedente de forma inovadora sujeita a revisão pelo tribunal superior aplicável.

Estes princípios são os blocos de construção com os quais casos envolvendo obras arquitetônicas, como Sieger Suarez, são construídos. Estes são os elementos que o juiz King usou para formar sua opinião, digna de nota.

Os Fatos

Em janeiro de 2006, pouco antes de ser fechada, a empresa apresentou pedidos para registrar seus desenhos técnicos de 2003 para inscrição no Escritório de Direitos Autorais. Quatro meses depois, possivelmente, em um esforço para cobrar taxas não pagas no projeto Regalia, ela enviou seus desenhos e arquivos de AutoCAD ao proprietário do projeto. Dois meses depois, em 20 de julho de 2006, em conexão com outro assunto, o advogado da Arquitectonica enviou os desenhos de seu cliente para o Regalia à Sieger Suarez. Cinco dias depois que Sieger Suarez havia enviado pedidos para registrar os direitos autorais em documentos adicionais de serviço que tinha preparado para o projeto de seis anos antes.

Nesta cronologia confusa, não obstante, parece claro que a Arquitectonica teve acesso aos desenhos da Sieger Suarez e poderia tê-los copiado; já a Sieger Suarez foi avisada dos desenhos da Arquitectonica que supostamente infringiam a lei e poderia ter entrado com uma ação com base em seus direitos autorais registrados. Ela não processou, no entanto, por mais sete anos, até que a construção do Regalia estivesse a caminho.

72-9
Cortesia de Mitch Tuchman. Fonte das Imagens: Tribunal Distrital dos EUA do Distrito do Sul da Flórida, Divisão de Miami

Determinando a violação

Para triunfar sobre uma alegação de violação dos direitos autorais, o requerente deve demonstrar que possui direitos autorais válidos num trabalho e que o réu copiou elementos que podem ser protegidos do trabalho registrado. Como aqui, onde não há nenhuma prova direta de cópia, não há provas claras ou vídeos feitos por conta própria, um autor pode determinar cópia ao demonstrar que o réu teve acesso ao seu trabalho, e que as obras do autor e do réu são substancialmente similares . O trabalho de King? Determinar a presença ou ausência de semelhança substancial entre os projetos das partes. Ele não encontrou nenhuma.

No decorrer de se decidir a questão, King enfrentou a incerteza jurídica inconstante, incerteza que o levou a perguntar o que os direitos autorais em uma obra de arquitetura verdadeiramente protegem. Se, como a lei recita, uma obra arquitetônica inclui “a forma geral, bem como o arranjo e composição dos espaços e elementos do projeto”, mas exclui “características padrão individuais”; se que a forma geral é uma compilação de expressões e idéias que podem ser protegidas ou não passíveis de proteção; se compilações são, como alguns tribunais concluíram, elegíveis apenas para uma proteção “fina”– proteção “bebê”, como King a chamou — o que pode ser comparado a fim de determinar a violação?

Normalmente, a similaridade substancial é estabelecida através dos olhos de uma conveniente ficção jurídica: o observador leigo. King recusou-se a ir de encontro a isso. “Na prática”, ele escreveu,

[O] “observador médio” referido pelos casos não é nada “médio”. A lei nesta área… é complexa e a distinção entre expressão e idéia pode ser uma tarefa difícil. Como tal, um observador “médio” é aquele que tem plena consciência da lei, treinados para entender os elementos da infracção, bem como os recursos que podem ser protegidas ou, com o conhecimento de projetos arquitetônicos, e com experiência para decidir os fatos de um determinado caso. Tal pessoa não é nem “média” nem comum.

Após precedentes, ele insistiu: “Como a Décima-Primeira Vara observou,” A semelhança substancial necessária para violação. . . deve ser de substancial semelhança de expressão, não da grande semelhança de idéias. ‘”E expressão, lembre-se, pode incluir coletâneas inteiras. King, em seguida, enunciou o seu caminho, uma nova maneira, de determinar onde procurar semelhanças.

Ao invés de simplesmente continuar no caminho freqüentemente enganoso de análise pontual, [este] Tribunal vai considerar alguns fatores reveladores de similaridade substancial e sugere que esta lista não-exclusiva e não-exaustiva de indicadores deve ser usado por tribunais futuros como marcos para determinar o nível de semelhança entre obras arquitetônicas…

Os indicadores de King são quatro: (1) a maneira pela qual um projeto é obtido; (2) o uso de estruturas ornamentais e detalhes; (3) como um indivíduo interage com o espaço; e (4) localização.

Análise Substancial de Similaridades: Exteriores

Começando com as fachadas dos projetos de Sieger-Suarez e do Arquitectonica e, especificamente, para a ilusão em formato de onda, King observou que o projeto do réu é obtido pela adição de varandas em formato irregular ao redor do edifício que, de outra forma, seria retangular. Estas varandas de forma irregular se combinam, andar por andar, para criar a impressão de uma onda oscilante correndo toda a altura do edifício. A partir do primeiro andar com varanda, o réu consegue esta “onda” através do deslocamento do centro de cada varanda em cada andar sucessivo ligeiramente para o lado da varanda abaixo dela. Estas varandas escalonadas e a mudança de localização do centro gera resultados em forma de uma onda dinâmica em toda a fachada do edifício.

O requerente, por outro lado, alcança a aparência externa de uma maneira notavelmente diferente. O projeto do queixoso é criado pela adição de varandas de canto arredondado para um edifício que, caso contrário seria irregular, com cantos drasticamente arredondados e uma acentuada protuberância para fora no centro de cada um dos quatro lados. Assim, o formato de flor do edifício é criado por elementos estruturais e janelas que são essenciais para a planta-baixa do projeto, o qual varandas com cantos arredondados são adicionadas para completar a forma de flor. As janelas salientes e varandas de canto arredondadas aparecem no mesmo lugar em cada andar e se combinam para criar uma onda suave, estática, que percorre a altura do edifício.

Enquanto outros juízes, sentados em outros tribunais, podem olhar para os respectivos projetos das partes e tentar uma resolução para a comparação de similaridades, King corajosamente olhou para além das semelhanças aparentes na superfície e perguntou o que está por baixo, que imperativos estruturais trouxeram cada projetista para sua expressão do formato de flor conforme se ergueu do chão aos céus.

Apesar do fato de que ambos os edifícios em corte transversal aderem, mais ou menos, ao formato de flor, esta resulta de abordagens estruturais completamente diferentes, pisos com formato irregular empilham-se uns sobre os outros no projeto de Sieger Suarez e uma torre essencialmente retangular com varandas ao redor, cada um pouco diferente do varanda acima e abaixo no projeto do Arquitectonica. Em outras palavras, embora a ideia, o formato de flor, tenha sido superficialmente semelhante, a expressão da ideia era radicalmente diferente e, portanto, não seria substancialmente semelhante. Ou, nas palavras de King, “varandas exteriores ornamentais não-estruturais contra janelas que são estruturais e integrais para a planta -baixa do interior, é uma distinção crítica”. King caracterizou a forma resultante do projeto do Arquitectonica “dinâmico”; a forma do projeto de Sieger-Suarez, “estática”.

Para encontrar similaridade substancial entre os dois projetos, neste caso, exigiria uma constatação de que o queixoso possui os direitos autorais de um conceito, ou seja, este formato de flor, algo que a décima-primeira vara tem sistematicamente rejeitado. A forma é uma idéia, enquanto o edifício e as varandas se combinam para criar uma expressão que pode ser protegida. A expressão do réu da forma de flor é claramente diferente e não infringe a expressão do queixoso.

Análise das Similaridades Substanciais: Interiores

King undertook a similar analysis of the interior floor plans of the competing designs. Sieger Suarez’s expression of the flower design, with bulging sides and rounded bay windows at each corner results in living spaces with few straight lines. Defendant’s use of a rectangular tower—its irregularly shaped terraces notwithstanding—results in rectangular rooms. Not only do the shape and size of the parties’ rooms differ, the ways in which inhabitants are intended to occupy, furnish and make use of those rooms differs as well.

King fez comparações adicionais, mas as similaridades superficiais não foram suficientes para superar a conclusão de que os edifícios não demonstraram similaridades substanciais.

Indicadores de King na Prática

Enquanto King não deu o mesmo peso a cada um de seus “indicadores”, o brilhantismo de sua abordagem é o fornecimento de uma técnica para substituir a tomada de decisão ad hoc, que normalmente caracteriza as decisões neste contexto. É um pouco como assistir a Julia Child na televisão de antigamente. O que mais importava não era o prato em si, mas como ela ensinou a técnica ao telespectador.

Ironia Final

Dado os três anos do estatuto de limitações dos direitos autorais, Sieger Suarez teria que ter entrado com uma ação até 20 de julho de 2009, a menos que ele pudesse mostrar danos acumulados com respeito à continuidade de conhecidas causas de ação. Sieger Suarez não alegou nenhuma dessas causas de ação, e, como tal, King julgou as reivindicações do requerente terminadas.

Mitch Tuchman exerce a lei de direitos autorais em Research Triangle Park, Carolina do Norte, escritório de Womble Carlyle Sandridge & Rice, LLP. Mande um e-mail para ele em mtuchman@wcsr.com.

Cita:Tuchman, Mitch . “O que faz de uma cópia uma cópia? O caso dos direitos autorais na arquitetura” [What Makes a Copy-Cat a Copy-Cat? The Complex Case of Architectural Copyright] 11 May 2014. ArchDaily. (Romullo Baratto Trans.) Accessed 9 Mai 2014. <http://www.archdaily.com.br/br/601546/o-que-faz-de-uma-copia-uma-copia-o-caso-dos-direitos-autorais-na-arquitetura&gt;

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s