Brasília, patrimônio dos quiosques

Publicado originalmente em URBANISTAS POR BRASÍLIA:

Grupo de moradores do Plano Piloto levou seis meses para fazer um levantamento detalhado das ilegalidades cometidas por quiosques, trailers e reboques instalados em áreas públicas. Muitos invadem calçadas e vagas de estacionamento

» HELENA MADER
Publicação: 16/08/2015 04:00
Setor bancário sul (Ed Alves/CB/D.A Press)
Setor bancário sul
Candangolândia (Ed Alves/CB/D.A Press)
Candangolândia
516 sul (Ed Alves/CB/D.A Press)
516 sul
Setor de indústrias gráficas (sig) (Ed Alves/CB/D.A Press)
Setor de indústrias gráficas (sig)

Com máquina fotográfica pendurada no pescoço, bloquinho em mãos e a ajuda de um GPS, um grupo de moradores do Plano Piloto executou uma complicada missão para comprovar os abusos que desvirtuam a capital federal. Esses abnegados defensores de Brasília percorreram a pé toda a área tombada para mapear quiosques, trailers, reboques e tendas instalados em áreas públicas. No total, gastaram 750h de trabalho. O levantamento inédito, ao qual o Correio teve acesso, será apresentado amanhã, quando se comemora o Dia do Patrimônio Histórico. Os responsáveis pelo estudo identificaram 1.041 estruturas em regiões como as asas Sul e Norte, Cruzeiro…

Ver original 979 mais palavras

Curso “Arquitetura de Shopping Centers” em São Luís-MA

ar.shopping

Ideias para apartamentos (muito) pequenos

Tenho dedicado especial atenção às transformações na percepção do espaço realmente necessário para o desempenho de determinadas tarefas. Num mundo onde o metro quadrado está cada vez mais caro, onde os espaços são cada vez mais raros e, paradoxalmente, as fronteiras espaciais praticamente inexistem, a máxima “corbusiana” da máquina de morar faz cada vez mais sentido. Contingências da vida me fizeram experimentar essa nova vida com menos espaço, mas não menos livre. Morando em lugares menores somos praticamente forçados a sair, ver o mundo, correr no parque ao invés de ter uma esteira em casa, sair para se divertir com os amigos, ver gente, comprar menos suprimentos, gastar menos com limpeza, produzir menos lixo.

De qualquer forma, não há lugar como o lar. Dito isso, sempre é possível ter ideias criativas que deixem seu minúsculo apartamento confortável, bonito e prático.

Este apartamento de 36 m² usa bem as cores claras, numa solução quase monocromática. Este recurso aproveita melhor a iluminação, tanto natural quanto artificial, além de fazer o espaço aparentar ser maior do que realmente é. Sem mencionar que, num apartamento tão pequeno, ficaria difícil desviar o olhar daquela parede colorida…

A integração dos ambientes é quase obrigatória. Na verdade há um único ambiente onde as funções se desenvolvem harmonicamente.

Escolher “elementos-chave” para usar a cor. Móveis e ornamentos acabam tendo mais destaque na composição do ambiente.

Este apartamento tem apenas 27 m². Abusa da marcenaria para criar espaços “curinga”. O ambiente se torna dinâmico. Nesses locais não existem mais espaços estanques. A sala vira quarto, que vira cozinha, que vira sala…

A reforma do apartamento é de 2013, de autoria do arquiteto australiano Nicholas Gurney. Localizado em Sidney, o uso certeiro da paleta de cores ajuda a demarcar os espaços, dando ao apartamento um visual agradável e contemporâneo.

A cozinha é preta, o quarto é vermelho (Mengooo!!!). A estante amarela e o próprio quarto são fechados por portas deslizantes brancas, quando não são utilizados.

Mesa de desenho multitouch de 55″ para arquitetos, designers e engenheiros

Já pensou um desses no seu escritório?

E-book grátis “O design do designer”, de Ligia Fascioni

Dica do dia: o e-book “O design do designer”, de Ligia Fascioni, está disponível de graça!
Basta acessar o link http://www.ligiafascioni.com.br/livros/o-design-do-designer/
Vou baixar o meu e começar a ler hoje!!

Ficha Técnica (edição eletrônica em PDF)

Título: O design do designer
Autora: Fascioni, Ligia
Editora: Ligia Fascioni
ISBN: 9788591514342
Páginas: 172
Publicação: 2014
Edição: 
Formato: PDF